PERFIL SOCIOECONÔMICO DA POBREZA E RIQUEZA RELATIVAS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS NO ANO DE 2010

Izete Pengo Bagolin, Marívia de Aguiar Nunes

Resumo


Considerando a diversidade de realidades econômicas e culturais existente na economia brasileira, e os desafios que essa diversidade impõe ao entendimento da pobreza, o objetivo deste artigo é investigar, a partir do conceito de pobreza relativa e da estimação de um modelo logit, (i) o perfil socioeconômico e as condições de bem-estar das pessoas relativamente pobres que vivem em municípios relativamente ricos e das pessoas relativamente ricas que vivem em municípios relativamente pobres; e (ii) identificar os fatores associados à condição de vida das famílias relativamente ricas e das famílias relativamente pobres do Brasil. Os resultados da pesquisa mostram que no intervalo entre R$ 198,00 e R$ 278,12 reais per capita mensais, as pessoas poderão ser classificadas como relativamente ricas ou como relativamente pobres, dependendo do município em que vivem, e enfrentarem privações distintas de bem-estar. Entre as pessoas relativamente pobres vivendo em municípios relativamente ricos, destaca-se a baixa escolaridade, ter nascido em outro município e não ter acesso à água tratada. As pessoas que são relativamente ricas nos municípios relativamente pobres têm maior chance de terem completado o ensino médio, mas não possuem vantagem em termos de acesso a esgoto.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (impresso): 1981-3953

ISSN (eletrônico): 2447-7990


A Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos (RBERU) encontra-se em processo de ajuste para atender todos os requisitos da Scielo para indexação.

 

Indexadores & Repositórios:

         

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia