Curva de Phillips salarial Novo-Keynesiana para o Brasil: novas evidências com dados regionais

Autores

  • Alessandro Augusto Costa Xavier Xavier UFJF
  • Fabio Rodrigues de Moura Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.54766/rberu.v18i2.941

Palavras-chave:

CPSNK, Crescimento salarial, Taxa de desemprego, PVAR-GMM, Estados

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo verificar empiricamente a Curva de Phillips Salarial Novo- Keynesiana (CPSNK) para o Brasil com o uso de dados estaduais. O suporte teórico é baseado na CPSNK desenvolvida por Galí (2011) e sua desagregação regional dentro de uma união monetária, conforme proposto por Levy (2019). A estratégia empírica utiliza-se de dados da PNADC e do Ipeadata entre o segundo trimestre de 2012 e o segundo trimestre de 2023, em uma estrutura de Vetores Autorregressivos em Painel com Método Generalizado de Momentos (PVAR-GMM). De acordo com os principais resultados, após um choque de 1 desvio-padrão no hiato da taxa de desemprego, observa-se uma diminuição significativa de -0,27 p.p. no crescimento dos salários nominais no primeiro trimestre, e em seguida um impacto mais acentuado de -0,89 p.p. no segundo trimestre. Posteriormente, a trajetória do crescimento salarial converge para sua trajetória de longo prazo, resultando em um impacto acumulado de -0,95 p.p. no crescimento salarial após oito trimestres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2024-05-19

Como Citar

XAVIER, A. A. C. X.; RODRIGUES DE MOURA, F. Curva de Phillips salarial Novo-Keynesiana para o Brasil: novas evidências com dados regionais. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 262–290, 2024. DOI: 10.54766/rberu.v18i2.941. Disponível em: https://revistaaber.org.br/rberu/article/view/941. Acesso em: 17 jul. 2024.
Share |