Novos Cenários para Velhos Trajetos: O Nordestino sofre Discriminação Salarial na Região Sudeste do Brasil?

Autores

  • Rebeca Maria Nepomuceno Lima Mestre em Economia/UFV
  • Evandro Camargos Teixeira Professor Associado I no Departamento de Economia/UFV

DOI:

https://doi.org/10.54766/rberu.v14i1.648

Palavras-chave:

Diferenciação salarial, Migração, Decomposição de Oaxaca-Blinder

Resumo

A desigualdade regional incentivou a migração interna brasileira ao longo do século XX. Apesar do avanço nos fluxos migratórios de retorno a partir da década de 1980, a região Nordeste continua a ser a principal emissora e o Sudeste a principal região receptora. O presente estudo tem como objetivo central verificar se o migrante nordestino é sujeito a discriminação no mercado de trabalho da região Sudeste em consequência da sua região de nascimento, quando comparado aos demais migrantes. A análise foi realizada para os migrantes homens, através dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2015. De maneira geral, por meio da decomposição de Oaxaca-Blinder com correção de Heckman, evidencia-se o efeito discriminatório relacionado à região de nascimento ao comparar os migrantes nordestinos não brancos com aqueles oriundos da região Norte. Nas demais comparações realizadas entre migrantes, verificou-se que a diferença salarial entre nordestinos e aqueles nascidos em outras regiões, brancos e não brancos, é explicada pela discrepância educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

LIMA, R. M. N. .; TEIXEIRA, E. C. Novos Cenários para Velhos Trajetos: O Nordestino sofre Discriminação Salarial na Região Sudeste do Brasil?. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 131–154, 2020. DOI: 10.54766/rberu.v14i1.648. Disponível em: https://revistaaber.org.br/rberu/article/view/648. Acesso em: 5 dez. 2022.
Share |